sexta-feira, 8 de junho de 2012

Elize foi parada pela polícia quando transportava o corpo do marido

ANDRÉ CARAMANTE
DE SÃO PAULO

A bacharel em direito Elize Matsunaga, 38, chegou a ter seu carro parado pela Polícia Militar Rodoviária de SP quando estava transportando em três malas o corpo esquartejado do marido, Marcos Matsunaga, 42, morto por ela no dia anterior.

Imagens mostram últimos momentos de executivo da Yoki
Disputa por filha causou morte de executivo da Yoki, diz defesa
Polícia apreende 30 armas na casa de executivo assassinado em SP
Familiares de acusada pedirão guarda de bebê
Mulher diz que matou executivo com arma que ganhou de presente
Mulher diz que matou executivo após briga por traição

Elize foi parada no dia 20 de maio porque o carro dela, uma Pajero TR4, estava com o licenciamento vencido e os policiais militares rodoviários foram avisados que o veículo trafegava pela Rodovia Antônio Romano Schincariol, a SP-127, por um "radar inteligente" sobre o problema. Os PMs a pararam e a multaram, segundo a Polícia Civil de São Paulo.

Divulgação
Cópia de multa aplicada a Elize Matsunaga na noite em que ela teria deixado as partes do corpo do marido em um terreno em Cotia
Cópia de multa aplicada a Elize na noite em que ela teria transportado as partes do corpo do marido

A multa foi aplicada na região de Capão Bonito (226 km de SP), quando Elize, que seguia para o Paraná, onde pretendia jogar as partes do corpo de Matsunaga, se arrependeu da viagem por causa da filha de um ano e voltou para São Paulo.

Depois de ser parada pelos policiais militares rodoviários e não ser descoberta por transportar o corpo do marido esquartejado, segundo Elize disse à polícia, ela resolveu jogar as partes em Cotia (Grande São Paulo). Depois, ela voltou para o apartamento do casal, na Vila Leopoldina (zona oeste de SP), onde as câmeras de segurança a flagraram sem as malas, por volta das 23h53.

Morte do executivo da Yoki

Ver em tamanho maior »
Carlos Pessuto - 5.jun.12/Futura Press
Elize é transferida para o presídio feminino de Itapevi (Grande SP), onde passou a noite de terça-feira (5) Leia mais

Ela contou à polícia ter jogado as três malas vazias em uma caçamba de entulho, na região da USP (Universidade de São Paulo). A polícia informou não ter mais esperança de encontrar as malas porque elas eram novas e devem ter sido levadas por alguém.

A reportagem pediu no início da noite desta sexta-feira um esclarecimento sobre o fato de Elize ter sido parada e não descoberta pela Polícia Militar Rodoviária ao Comando-Geral da PM e também para a Secretaria da Segurança Pública. Os órgãos devem se pronunciar nas próximas horas.

Folha On line

Nenhum comentário: