quinta-feira, 21 de junho de 2012

Oposição vive frenesi apostando que o povo é bobo


Tenho recebido inúneros comentários, alguns elogiando e outros discordando e metendo o pau na atitude de meu afastamento do grupo da oposição que integra o PMDB.

Inclusive em várias postagens de blogs oposicionistas falam que minha esposa foi nomeada Secretária Municipal de Ação Social, colocando até uma foto nossa sem autorização de divulgação de imagem, tudo para deturpar a verdade dos fatos políticos.

Muito embora haja, atualmente, depois de muito analisar, de minha parte simpatia em querer que Baraúna continue avançando no modelo administrativo atual, visto que apoiar o projeto do PMDB seria uma verdadeira carnificina moral e um atentado às práticas de boa gestão, na contramão ao que tanto ajudei a implementar no inicio da atual administração.

Inverídica, portanto, é a notícia de nomeação de minha esposa para o cargo de Secretária de Ação Social. Apesar do convite, ela não aceitou, pois, está em fase conclusiva de seu curso superior de Serviço Social, o que atrapalharia seus estudos.

O frenesi que alguns oposicionistas estão vivendo é fruto dos contínuos erros políticos estratégicos decorrente de sua forma centralizadora de fazer política, não conseguindo conscientizar a população para apoiar um projeto já conhecido pelo povo e fracassado mesmo antes de nascer.

Sem projeto de governo sólido, sem linhas ideológicas próprias, sem histórico de boa gestão, a oposição, muito mal assessorada, patina no desespero de querer governar uma cidade próspera, pensando exclusivamente em sua renda. De olhos arregalados para a pujança arrecadadora da cidade. Nas hostes da oposição não se fala em respeito às pessoas, em consideração, em gratidão, em uniformidade de pensamentos ou pluralidade de idéias. Observa-se apenas um grupo familiar com planos ultrapassados, discursos arcaicos e a vontade incontrolável de obter o poder a qualquer custo, de qualquer forma.

Vou exercer meu direito de escolha e decisão. Ninguém, ninguém mesmo vai cercear esse direito.

Minha liberdade de expressão, minha manifestação de pensamento e meus ideais não coadunam com o plano maquiavélico para destruir a cidade. Só eu sei o que planejam fazer com Baraúna. Por discordar, exerço meu direito de escolha.

Minha opção não é focada por políticos, mas para buscar a liberdade de escolha, de pensar a Baraúna do futuro e contribuir para evitar o infortúnio do desastre administrativo imperar novamente na comunidade social que convivemos.

NOTA DO BLOG: com a eminente vitória da situação, o atual grupo político controlado pelo PMDB perderá expressão, com grande possibilidade de seus membros maiores afastar-se definitivamente da política pelo movimento cíclico e dinâmico o que ensejará numa filtragem moral-política permitindo a renovação dos quadros e, quiçá, a oportunidade de jovens políticos com ideais diferentes e projetos inovadores. Portanto, deixem Baraúna se desenvolver e que venha a nova geração.

2 comentários:

Anônimo disse...

Parabéns pela decisão séria. Vc está no rumo certo.

Anônimo disse...

Sábia decisão e ótimo texto, em claras linhas você desmascara rapidinho o plano maquiavelico de um grupo que nunca fez nada por nossa cidade e tem sonho de querer continuar não fazendo. não quero o governo de PRA uma familia quero governo PARA o povo!