terça-feira, 15 de outubro de 2013

Caicoenses são presos acusados de desviarem mais de 3 milhões da NNEX (empresário e advogada estão ligados ao escândalo)

Uma equipe da Delegacia de Defraudações comandada pelo delegado Júlio Costa anteciparam, na noites desta segunda-feira (14) cumprimento de mandados de prisões contra o empresário caicoense, identificado como Nando da Veloznet e sua esposa, a advogada Rafaela Gurgel. De acordo com informações, o casal foi preso nas proximidades de Currais Novos, supostamente tentando fugir do cerco da operação.
Enquanto estavam sendo ouvidos na delegacia, do lado de fora o movimento foi intenso de advogados, familiares e representantes da empresa NNEX, do qual Nando era um dos líderes. Informações extra-oficiais dão conta de que a investigação que culminou com as prisões estão relacionadas com a própria empresa de marketing Multinivel. Equipes de policiais militares estão guardando a empresa V2Net e a residência do casal, para que os mandados de busca e apreensão sejam cumpridos na manhã desta terça-feira.
 
Como Rafaela é advogada, o presidente da OAB de Caico, Roberto Diniz e outros advogados estiveram na delegacia, e esperam que se a mesma permanecer presa, que seja garantida a prerrogativa do advogado, de permanecer em prisão domiciliar ou em Sala de Estado Maior, que não existe em Caico. Advogados da empresa NNEX confirmaram que os caicoenses são acusados de terem desviado mais de 3 milhões de reais da empresa, através de esquema que envolvem sistemas de hackers.

Blog Marcos Dantas direto de Caicó

NOTA DO BLOG: vejo os advogados como importantes operadores do direito, sendo personagens chaves para a manutenção do Estado Democrático de Direito, mas essa regalia de prisão de Estado Maior é um desrespeito ao cidadão comum, um privilégio que se equivale ao foro privilegiado de políticos perante juízos de primeiro grau (prefeitos, governadores, deputados, só são julgados criminalmente perante Tribunais - colegiados, e nunca por juiz singular. Quem comete crime, independente de quem seja - pobre, rico, advogado, juiz, prefeitos, presidente da república, não deveriam ter diferenciação enquanto suas custódias durante o período que aguardar julgamento. Depois, se condenados, seguem para penitenciárias no propósito de cumprir pena. Mas estou à procura de algum em condição de "penitência".

Nenhum comentário: