domingo, 3 de novembro de 2013

País teve 50 mil mortes em 2012

São Paulo, 03/11/2013 - Se os números da economia formal brasileira mostram sinais de desaceleração, o submundo do crime permanece pujante. É o que mostram os dados da criminalidade enviados pelas Secretarias de Segurança das 27 unidades da federação para o Anuário Estatístico do Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP). No ano passado, os homicídios no Brasil cresceram 7,6% em relação a 2011.
Os dados completos do Anuário, encomendados pela Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp), vão ser apresentados na terça-feira. O Estado obteve com exclusividade os números dos crimes e da situação do sistema carcerário.
O total de assassinatos é o maior da série histórica desde 2008. Houve 50.108 casos no Brasil em 2012, incluindo homicídios dolosos (47.136), assaltos seguidos de morte (1.810) e lesão corporal seguida de morte (1.162). O País registrou taxa de 25,8 homicídios por 100 mil habitantes. E São Paulo puxou o índice para cima.
Ampliar




Violência no Estado de São Paulo5 fotos

1 / 5
3.out.2013 - A professora Efigênia Antônia Sofia, 44, foi encontrada morta em uma fossa nos fundos da casa onde residia na zona norte de São Paulo. Ela estava desaparecida e foi vista pela última vez na tarde desta quarta-feira (2) Vinicius Pereira/Folhapress
Os Estados do Norte e Nordeste seguem liderando o ranking de homicídios no Brasil. Alagoas, com 61,8 casos por 100 mil habitantes, apesar de estar no primeiro lugar no ranking, registrou redução de 14%. Pará subiu para a segunda colocação, com 44 por 100 mil, seguido por Ceará (42,5), Bahia (40,7) e Sergipe (40).
"O padrão de homicídios no Brasil é muito alto, assim como os outros crimes. Isso mostra como não conseguimos enfrentar o problema da criminalidade urbana. Mostra a necessidade urgente de reformas nas polícias, para melhorar as investigações e o policiamento ostensivo. É um assunto que precisa ser enfrentado com coragem ou o Brasil não vai conseguir reverter esse quadro", afirma o sociólogo Renato Sérgio de Lima, do FBSP.
Ampliar




Violência no Rio de Janeiro108 fotos

103 / 108
24.out.2013 - Policiais guardam a entrada do morro Pavão-Pavãozinho, em Copacabana, zona sul do Rio de Janeiro, na manhã desta quinta-feira (24). Uma troca de tiros no morro durante a madrugada terminou com um morto e um ferido. Uma ambulância chegou a atender o baleado no local, mas ele não resistiu aos ferimentos e morreu na calçada. Policiais do 19º Batalhão de Polícia Militar (Copacabana) tiveram de intervir para evitar que o trânsito fosse fechado pelos moradores Alessandro Buzas/Futura Press

Patrimônio

Os registros de crimes contra o patrimônio também são preocupantes. Os dados do anuário não permitem uma comparação com 2011. Mas, no ano passado, foram 566.793 casos de roubos, em que os ladrões levaram carros, atacaram bancos, cargas de caminhões, pedestres e casas. Em todo o território nacional, considerando só as ocorrências registradas nas delegacias, foram 1.574 casos de roubo por dia.
Mesmo no Norte e Nordeste há problemas de crimes contra o patrimônio. Amazonas desponta com 737 roubos de carros por 100 mil habitantes. Bahia fica em segundo lugar, com 435 por 100 mil.
A guerra contra os traficantes também revela a dimensão do comércio de entorpecentes. No ano passado, o Brasil registrou 122.921 ocorrências de tráfico, crescimento de 19% em relação ao ano anterior. Os estudiosos explicam que a apreensão de drogas mostra, sobretudo, a atuação policial no combate ao crime. A maioria dos casos foi registrada nos Estados de São Paulo (41.115) e Minas (24.272).

Encarceramento

As lacunas no sistema de segurança nacional, no entanto, ficam evidentes ao se comparar a situação brasileira com a de outros países do mundo. Ao mesmo tempo em que encarcera demais, não parece conseguir diminuir as taxas de criminalidade. Segundo os dados do Anuário, o Brasil tem atualmente 515.482 presos, o que o coloca em quarto lugar no ranking daqueles com maior população prisional do mundo. Fica atrás apenas dos Estados Unidos (2.239.751), da China (1.640.000) e Rússia (681.600).
Por outro lado, o Brasil fica em 7º lugar entre os países mais violentos. As mais de 50 mil mortes por homicídios são duas vezes mais do que a média de baixas em um ano de guerra entre Rússia e Chechênia, por exemplo. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.
NOTA DO BLOG: a cidade de Baraúna que esteve ano passado na posição 156 no BRASIL (http://exame.abril.com.br/brasil/noticias/as-300-cidades-mais-perigosas-do-brasil?page=4)  e 4a. mais violenta no estado do RN, talvez tenha subido muitas posições no índice de violência de 2013 que será divulgado no início do próximo ano. A cidade de Baraúna provavelmente apareça em primeira ou segunda em número de homicídios proporcionalmente à sua população nas estatísticas do estado. Lamentável para uma cidade que deveria reinar a paz por viver um momento de desenvolvimento. O Governo do Estado é responsável por manter a segurança pública, cabendo as autoridades locais às cobranças e alertas, porém, os governos locais (Estado e Prefeitura) vem falhando e, portanto, leniente e omisso a esse verdadeiro massacre populacional. 

Nenhum comentário: