segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

O poder dos pelos faciais: quatro ditadores bigodudos

Por Marcel Verrumo


Em tempos de hipsters, bigodes têm um forte caráter estético e de afirmação de identidade de grupo. Mas a história é diferente em outros lugares e tempos. Na Turquia, por exemplo, essa faixa de pelos entre o nariz e a boca, ora fininha, ora robusta, está relacionada ao poder e à ideologia. Lá, homens até estão investindo R$ 5mil para implantar cabelos do couro cabeludo no bigode. É uma tentativa de se parecer com figuras históricas de peso – ou melhor, de bigode. No Oriente Médio, embora Maomé tenha dito para seus fieis deixarem crescer a barba, o bigode é sinal de virilidade – e Saddam Hussein não nos deixa mentir. Outros ditadores do século 20 também desfilaram essa moda. Veja:

 

4. Saddam Hussein (1937–2006)

Saddam foi peça fundamental na revolução de 1968, que colocou o Partido Socialista Árabe Ba’ath no poder no Iraque. O político assumiu a frente do país em 1979 e permaneceu no poder na época em que o Iraque passou por episódios históricos importantes do século 20, como a Guerra Irã-Iraque e a Guerra do Golfo. Também ficou conhecido pela nacionalização do petróleo e pelo combate a movimentos de independência, como curdos e xiitas. Em 2003, uma coalisão, liderada pelos Estados Unidos e pela Inglaterra, invadiu o Iraque com o pretexto de que o líder teria armas de destruição de massa. Resultado: o partido caiu, o líder foi capturado e, três anos depois, em 30 de dezembro de 2006, foi executado.

 

3. Joseph Stalin (1878–1953)

O robusto bigode líder soviético encantava alguns de seus seguidores, como o escritor comunista brasileiro Jorge Amado. Em seus textos, o que não faltam são referências a “Stalin, o dos longos bigodes, aquele que tem um sorriso de criança inocente na face serena de sábio e de condutor de homens”. Amado, inclusive, chegou a relacionar o estado de espírito dos soviéticos ao bigode de seu líder: “o largo sorriso do marechal Josef Stalin, saído de sob os bigodes como um símbolo, é o povo soviético sorrindo”. Ambas citações foram retiradas de Hora da Guerra (Companhia das Letras).

Mas quem foi esse líder? Secretário-geral do Partido Comunista da União Soviética de 1922 até sua morte, em 1953, Stalin foi o líder soberano da União Soviética a partir de 1941, após a morte de Trotsky. Seu governo é amado por uns e odiado por muitos. Internamente, ficou conhecido pela coletivização das propriedades agrárias ao criar as propriedades estatais e as agrárias. Na política externa, apoiou partidos comunistas espalhados pelo mundo e, durante a Segunda Guerra Mundial, combateu regimes nazi-fascistas contrários ao comunismo. Seus opositores atribuem a ele a morte de 10 milhões de soviéticos.

 

2. Benito Mussolini (1883–1945)

Embora representado com um barba durante a fase adulta, Mussolini exibiu um robusto bigode durante a juventude. Foi um ditador italiano à frente do país entre 1922 e 1943. Seu nome geralmente é associado ao fascismo e à Segunda Guerra Mundial, momento histórico em que estabeleceu laços com a Alemanha de Hitler para combater as forças comunistas.

 

1. Adolf Hitler (1889–1945)

O maior ditador do século 20 exibia um bigode bem característico, parodiado por artistas como Charlie Chaplin. Hitler dominou a Alemanha entre 1933 e 1945, quando se suicidou com a iminência da derrota na Segunda Guerra Mundial. Líder com uma boa lábia para discursos, defendia a hegemonia da raça ariana. Ficou interessado em saber mais sobre o líder? O História sem Fim já dedicou vários posts a ele, como Pesquisa sobre saúde mental de Hitler revela que ele se considerava a “encarnação do espírito de Deus”A história do vizinho judeu de Hitler e O sobrinho de Hitler que escreveu uma carta para lutar pelos Estados Unidos na Segunda Guerra Mundial

Fonte: Blog Super Interessante


    Nenhum comentário: