quinta-feira, 17 de julho de 2014

Míssil abate avião da Malaysia Airlines com 298 pessoas na Ucrânia

Do UOL
Um míssil abateu o voo MH17 da Malaysia Airlines, com 298 pessoas a bordo, na fronteira da Ucrânia com a Rússia. A informação foi confirmada por agências de inteligência dos Estados Unidos. A autoria do disparo ainda é investigada, mas separatistas russos são os principais suspeitos. Não há sobreviventes.
Um sistema de radar identificou um míssil terra-ar ser disparado e ir em direção ao avião comercial, pouco antes de a aeronave cair. Um segundo sistema de radar identificou o rastro de calor do míssil no momento em que o Boeing 777 foi atingido. A trajetória do míssil está sendo analisada para que seja possível determinar a autoria do disparo.


O presidente ucraniano, Petro Poroshenko, havia afirmado pouco após a queda do avião de que se tratava de um ato terrorista dos separatistas pró-Rússia que controlam o leste da Ucrânia. "Isso não foi um incidente, isso não foi uma catástrofe, foi um ato terrorista", disse.
Um oficial norte-americano, sob condição de anonimato, disse ao "Washington Post" que as agências não conseguiram determinar ainda quem atirou o míssil. "Essa é uma área contestada. Vai demorar para conseguirmos alguma informação sobre quem está envolvido."
O premiê da Malásia, Najib Razak, também afirmou que o avião foi abatido por um míssil durante entrevista coletiva sobre o acidente e que espera respostas rápidas da investigação. "Não deixaremos pedra sobre pedra. Quando confirmarmos que o avião foi mesmo derrubado, vamos insistir para que os autores sejam rapidamente levados à Justiça", disse Razak.
O premiê informou que o governo malaio enviou representantes a Kiev, entre eles membros da Equipe Especial de Resgate e Assistência em Desastres, além de médicos. "Esse é um dia trágido, em um ano que já tinha sido trágico", falou Razak, referindo-se ao desaparecimento do outro avião da Malaysia (MH370).


Rebeldes já abateram aviões na região

Separatistas pró-Rússia do leste da Ucrânia já derrubaram ao menos dez aeronaves na região. A lista inclui helicópteros militares, aviões de transporte do Exército e caças da força aérea. O local é palco de conflitos entre o Exército ucraniano e os rebeldes há meses, desde que o ex-presidente do país Viktor Yanukovich foi deposto em fevereiro deste ano. 
As aeronaves derrubadas pelos rebeldes na região, que usaram lança mísseis portáteis, voavam a baixa altitude, diferente do avião da Malaysia, que estava a 10 mil metros de altura (33 mil pés). Segundo o Eurocontrol, organização internacional que gerencia o tráfego aéreo na Europa, o Boeing 777 da Malaysia Airlines voava cerca de 1.000 pés (300 metros) acima da faixa fechada do espaço aéreo no leste ucraniano. 
Segundo o especialista em segurança internacional Gunther Rudzit, rebeldes ucranianos possuem mísseis terra-ar fornecidos pela Rússia com poder de abater um avião.
"Os rebeldes já vinham alardeando que teriam derrubado dois caças da Ucrânia. Um avião de transporte e helicópteros também teriam sido derrubado", diz Rudzit. Por causa desses indícios, ele acredita que o alvo do míssil não teria sido o avião de passageiros, e sim um avião militar.
O avião ucraniano que seria o suposto alvo teria conseguido despistar o míssil, que pode ter "enquadrado o avião [da Malaysia Airlines] em altitude maior", explica o especialista. "Esse míssil segue calor", completa. Os aviões de passageiros voam em altitude mais elevada que aeronaves militares, esclarece Rudzit.

Ucrânia, Rússia e rebeldes negam ter abatido avião

Rebeldes separatistas da região leste da Ucrânia, onde o avião caiu, negaram qualquer envolvimento. "Nós simplesmente não temos esse sistema de defesa aérea", de acordo com a agência Interfax. No entanto, o especialista em segurança internacional, Gunther Rudzit, afirma que mísseis terra-ar, guiados por calor e fornecidos pela Rússia aos rebeldes, seriam capazes de abater um avião comercial.
"Os rebeldes já vinham alardeando que teriam derrubado dois caças da Ucrânia. Um avião de transporte e helicópteros também teriam sido derrubado", diz Rudzit. Por causa desses indícios, ele acredita que o alvo do míssil não teria sido o avião de passageiros, e sim um avião militar.
O presidente ucraniano também negou que o Exército do país tenha participação. "Nós não descartamos que esse avião tenha sido derrubado e reforçamos que as Forças Armadas da Ucrânia não agiram contra alvos aéreos", disse Poroshenko.
O porta-voz do governo russo, Dmitry Peskov, afirmou que é "estupidez" acusar o país de envolvimento no acidente com o MH17. A suspeita havia sido levantada logo após o acidente pelo ministro das Relações Exteriores de Kiev, Pavlo Klimkin. 
O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, pediu a abertura de uma "investigação internacional transparente" sobre a queda do avião. Ban afirmou que está monitorando a situação e expressou pêsames às famílias das vítimas. O Conselho de Segurança da ONU convocou uma reunião de emergência para esta sexta (18).

Trajeto e resgate dos corpos

O voo MH17 ia de Amsterdã, na Holanda, para Kuala Lumpur, na Malásia, e voava a 10 mil metros quando caiu. O voo teria duração de 11h55 minutos e percorreria uma distância de 10,2 mil quilômetros.
A Malaysia Airlines perdeu contato com a aeronave às 11h15 (horário de Brasília), e que sua última posição foi registrada no espaço aéreo ucraniano, a 30 km de Tamak.
Arte/UOL
Voo ia de Amsterdã (Holanda) para Kuala Lumpur (Malásia)
Oficiais de defesa da Ucrânia disseram que o trabalho na região de Donetsk, onde o avião caiu, é difícil em razão dos destroços espalhados por áreas extensas. As buscas também são dificultadas pela presença de terroristas armados na região. O governo russo entrou em contato com a Ucrânia oferecendo ajuda nas investigações e também no resgate das vítimas.
"Estou chocado por relatos de que um avião da MH caiu. Estamos lançando uma investigação imediata", disse o premiê da Malásia, Najib Razak, em sua conta no Twitter.  
O ministro da Justiça e Defesa holandês, Ivo Opstelten, disse em comunicado que está "profundamente chocado" com o acidente, confirmando que havia muitos cidadãos do país no voo. "Meus pensamentos estão com as famílias e amigos daqueles que estavam no avião", escreveu.
Opstelten destacou que o governo holandês criará um número de emergência para que as famílias das vítimas possam buscar informações.
Joe Pries/AP
Avião que caiu é semelhante a esta aeronave

Nenhum comentário: